Allen Porter Mendenhall

An Issue of Supreme Importance for 2016

In America, Conservatism, Judicial Activism, Judicial Restraint, Jurisprudence, Justice, Law, News and Current Events, Politics, The Supreme Court on April 22, 2015 at 8:45 am

Allen 2

This piece originally appeared here in The American Spectator.

The time has come for politicians to announce their candidacy for president. In the following weeks we can expect more names to be tossed into the hat of presidential hopefuls. Already Senator Ted Cruz and Senator Rand Paul have proclaimed their desire to lead our country. Hillary Clinton made her candidacy official Sunday, and Senator Marco Rubio announced on Monday night.

The 2016 election is shaping up to be the most pivotal in decades, including for reasons not everyone is talking about.

It’s true that Republicans will challenge Obama’s legacy and that everything from Obamacare to payday loans will receive renewed and energetic scrutiny on the campaign trail.

Yet these won’t be the most pressing domestic issues facing the next president. Even more important will be the president’s judicial philosophy. That’s because the probability is high that the nation’s next chief executive administration will nominate at least three candidates to the U.S. Supreme Court.

Although confidence in the Court is at an all-time low, voters do not seem particularly concerned about the Court’s future composition. Perhaps the typical voter does not understand the role the president plays in nominating justices. Perhaps the goings-on of the judicial branch seem distant and aloof and out of the purview of our everyday worries. Perhaps most people are too short-sighted to consider the long-term and far-reaching effects that a president can have on the legal system. Whatever the reason, voters should re-prioritize. Conservatives should move this issue to the forefront of the debates.

When the president is inaugurated in January 2017, Justice Ruth Bader Ginsburg, widely thought to be in poor health, will be two months shy of her 84th birthday; Justice Antonin Scalia and Justice Anthony Kennedy will be 80; and Justice Stephen Breyer will be 78. Is it reasonable to expect these justices to serve out four more years under another administration?

Justice Ginsburg and Justice Breyer are considered members of the left wing of the Court whereas Justice Scalia is considered to be on the right. Justice Kennedy is famously known as the Court’s “swing vote.”

If a Republican wins in 2016 election, he could replace two liberal members of the Court, leaving just two other remaining: Justice Sonia Sotomayor and Justice Elena Kagan. If Justice Kennedy were also to step down during the next administration, a Republican president could further expand the conservative wing of the Court to seven, making room for a vast majority in contentious cases. If the right wing of the Court enjoyed a 7-2 majority today, for instance, there would be less media speculation about how the Court would decide cases on same-sex marriage, religious freedom, immigration, or campaign finance.

The Senate Judiciary Committee, which conducts hearings on presidential nominees to the High Court, currently consists of 11 Republicans and 9 Democrats. Republicans hold a 54-member majority in the Senate, the governing body that confirms presidential nominees to the Court. If these numbers remain unchanged or only slightly changed under a Republican president, that president would have wide latitude to nominate candidates who have tested and principled commitments to conservatism.

Let’s say the presidential election favored a Democrat. A Democratic president could simply replace the departing Justice Ginsburg or Justice Breyer with a jurist in their mold, in effect filling a liberal seat with another liberal. If a Democratic president were up against a Republican Senate, however, his or her nominees would have to appear less liberal than Justice Ginsburg to ensure their confirmation.

Replacing Justice Scalia, arguably the most conservative justice on the Court, with a liberal would be transformative. Although depicted as an unpredictable moderate, Justice Kennedy was nominated by a Republican and more often than not votes with the right wing of the Court. Replacing him with a liberal justice would be a victory for the left. It is possible for the left wing of the Court to gain a 6-3 majority if a Democrat succeeds President Obama.

It’s not inconceivable that in the time he last left, President Obama could name at least one successor to the Court. Barring some unforeseen illness or act of God, however, that is unlikely to happen this late in his presidency. Justice Ginsburg insists on remaining on the Court, and Justice Breyer still has some healthy, productive years ahead of him.

Judges’ and justices’ judicial philosophies are not easily pressed into two sides—conservative or liberal, Republican or Democrat—because law itself usually is not reducible to raw politics or naked partisanship, and a judge’s job entails more than interpreting the language of legislative enactments. Law deals with the complex interactions of people and institutions under disputed circumstances that are portrayed and recounted from different perspectives; therefore, law rarely fits cleanly within simplistic political frameworks.

For this reason, among others, it can be difficult to predict how potential justices will rule from the bench if they are installed on the Court. Chief Justice Earl Warren ushered in the progressive “Warren Court Era” even though he had served as the Republican Governor of California and, in 1948, as the vice-presidential running mate of presidential candidate Thomas E. Dewey. More recently President George H.W. Bush nominated Justice David Souter to the Court. Justice Souter tended to vote consistently with the liberal members of the Court.

The Senate confirmation process has grown more contentious in recent years, and that has made it more difficult for another Souter to slip by the president. But it has also watered down our nominees, whose lack of a paper trail is considered a benefit rather than evidence of a lack of conviction or philosophical knowledge (lawyers are trained, not educated). It has come to a point where if you’re confirmable, you’re not reliable, and if you’re reliable, you’re not confirmable. Chief Justice John Roberts’ acrobatic attempt to uphold the individual mandate in Obamacare on the ground that it was a “tax” reveals just how squishy and unpredictable our justices have become.

There is, of course, the trouble with categorizing: What does it mean to be a “conservative” or a “liberal” judge or justice? Our presidential candidates may have different answers. In January Senator Paul declared himself a “judicial activist,” a label that is gaining favor among libertarians. He appears to have backed away from that position, recently bemoaning “out-of-control, unelected federal judges.” Activist judges, at any rate, can be on the right or the left.

Ted Cruz has not advertised his judicial philosophy yet, but by doing so he could set himself apart because of his vast legal experience, including his service as the Solicitor General of Texas. Two potential presidential nominees, Marco Rubio and Lindsey Graham, are also attorneys, but Rubio’s legal experience, or non-experience, is subject to question, and Graham has been out of the legal field for some time—although he serves on the Senate Judiciary Committee and has intimate knowledge of the Senate confirmation prospects for potential nominees.

It matters a great deal what our presidential candidates believe about the hermeneutics and jurisprudence embraced by potential Supreme Court justices. In the coming months voters will have the power to force candidates to address their judicial philosophy. The candidates must articulate clearly, thoroughly, and honestly what qualities they admire in judges because those qualities might just shape the nation’s political landscape for decades to come.

Conservatives have much to lose or gain this election in terms of the judiciary. Supreme Court nominations should be a top priority for Republicans when debate season arrives.
Read more at http://spectator.org/articles/62383/issue-supreme-importance-2016

Avelino

In Arts & Letters, Creative Writing, Fiction, Humanities, Literature on April 15, 2015 at 8:45 am

Hugo Santos

Hugo Santos é professor de Literatura no Brasil e possui os cursos de Graduação e Mestrado em Literatura Brasileira, ambos conseguidos pela Universidade Federal de Pernambuco, no estado de Pernambuco, cuja capital é Recife – sua cidade natal (e de acordo com ele mesmo, uma das mais belas cidades do país). Atualmente, ele está frequentando o Programa de Doutorado em Educação de Adultos, na Universidade de Auburn, onde também é professor de Língua Portuguesa e Cultura Brasileira. Além disso, ele está representando o Governo de Pernambuco na iniciativa de se estabelecer uma parceria entre a UA e a Universidade do Estado de Pernambuco, através do estabelecimento, troca e ampliação de pesquisas que permitirão a alunos e professores das duas instituições explorarem o que cada uma tem para oferecer. É autor de “Um Céu Imenso.”

Hugo Santos is a Professor of Literature in Brazil and received both his undergraduate and master’s degree in Brazilian Literature from the Federal University of Pernambuco, in the state of Pernambuco, located in the Northeast of Brazil, whose capital is Recife—his hometown (according to himself, one of the most beautiful cities in the country). Currently, he is enrolled in the Ph.D. Program in Adult Education at Auburn University and teaches classes in Portuguese and Brazilian Culture. He is linked to the Auburn University Office of the International Programs as a representative of the Government of Pernambuco and is establishing a partnership between Auburn University and the Pernambuco State University, where he worked in Brazil. The research exchange and extension program enables the students and teachers of both institutions to explore what each university has to offer. He is the author of Um Céu Imenso (“An Immense Sky”).

Já fazia parte da rotina dele sentar-se no tronco em frente à casa, olhando aquela terra árida que não tinha cheiro de nada, contemplando uma estrada barrenta, sem outras casas além da dele e sem visões de um tempo bom e de boas lembranças.

A imersão naqueles pensamentos era diária, assim como eram diários os sonhos de uma vida sem aquele sofrimento todo. Não era nada físico. Ele nunca fora castigado pela mãe, que além de saber do empenho dele na organização dos plantios e no trato com os animais, reconhecia os valores de um filho bondoso e preocupado com os seus.

O sonho era o de deixar todo aquele cenário seco e sem vida, com uma sede eterna de tudo o que refrigera a alma e alenta um semblante entristecido. Dona Maria da Luz, a mãe, já tinha notado aquele olhar, e também já tinha imaginado que uma partida dele não era algo remoto, ao contrário, considerando que todos daquela idade já tinham partido dali, ficando apenas os mais velhos e as crianças. Ela sabia que isso era possível, mas rezava pra que não se concretizasse, afinal eram somente eles dois naquela casa, além da irmã menor, que por razões óbvias não daria conta de tantas responsabilidades naquele sítio.

Ele avaliava tudo e sabia bem o que representaria uma partida, deixando as duas com toda aquela carga de coisas, mas muito mais com a impressão de que ele estaria fugindo de algo que não poderia vencer. E de fato ele não conseguiria jamais. Como superar tanta seca, tanta fome, tanto sol, tanta solidão e abandono? Ele não conseguiria jamais. E além do mais, agora estava mais focado do que nunca, principalmente depois da conversa com José Pedro, amigo de infância, que retornara da capital e estava ali por aquelas bandas visitando parentes, e que também lhe fizera ver que a única alternativa era o êxodo, a saída, a fuga, se assim entendesse. Mas não uma retirada desesperada e sem propósito; não um rompimento com suas raízes e história, com sua família e passado. Seria uma saída estratégica, momentânea, apenas o tempo necessário para uma conquista de vida, de posses e de solidez, após o que retornaria e resgataria os que ficaram.

– Mas Zé… como eu poderia deixar minha mãe e minha irmã aqui, assim?

– Avelino, rapaz… ficando aqui é que você vai ajudar menos ainda, homem. Vai ficar nessa vida sofrida, sem esperança e sem futuro. Lá, pelo menos, você vai ter uma garantia, um emprego e uma moradia, até poder se arranjar sozinho.

Era algo em que ele não conseguia parar de pensar. Os últimos anos tinham sido duríssimos, sem perspectiva alguma do que pudesse trazer qualquer mudança, porém ele também sabia que havia algo além da sofreguidão. Havia uma certa sensação nostálgica em ser o arrimo da casa e a pessoa em cujos ombros pesavam todas as dependências. Era uma sensação incoerente, ele sabia. Como sabia também que coerência era um artigo extremamente raro naquele lugar, especialmente naqueles dias. E naquelas horas ele se sentia resoluto.

Partiu, enfim, na lua cheia de dezembro, querendo acreditar que olhando pra ela teria alguém com quem conversar e com quem se ressentir. Saiu enquanto todos dormiam, obedecendo ao que a mãe dissera, ela que não suportaria abraçá-lo na despedida e nem olhá-lo nos olhos pra desejar-lhe sorte. Nesse pedido, ele sabia bem, estavam todos os clamores calados e todos os choros contidos que lhe seriam ditos se ela o visse partir. Embora forte, a tez enrugada da velha sempre estremecia quando o assunto envolvia partidas, com os olhos lacrimejando e o olhar cabisbaixo, sem qualquer palavra, apenas soluços compassados e a respiração perturbada. Não era a primeira vez que ela passava por aquilo. O marido, muitos anos antes, tomara a mesma decisão, e com o mesmo ímpeto buscou uma fuga ensandecida, deixando todos aos cuidados de Dona Maria da Luz e de um futuro incerto, ou certo, já que, conforme ela previu, ele não mais voltou.

Agora, porém, o quadro era outro e a saída do filho soava como algo apocalíptico. Como, afinal, iriam sobreviver? Como suportariam, sem a força, a perseverança e a solicitude do jovem, àqueles tempos de penúria? Mas em momento algum qualquer palavra foi proferida. Nada foi dito. Nenhum lamento saiu dela, além do lamento de uma mãe pela perda do filho. Um filho que não voltaria, envolvido que seria por um mundo grotesco. Um mundo novo e feroz, que de tanto açoitar-lhe com maldade e sofrimento, apagaria de sua memória as lembranças de vida e os laços com o passado, e apagando o passado, apagaria o futuro delas.

E foi nesse embaço de coisas que ela levantou de manhã, sentando no tronco em que o filho sempre sentava e olhou aquele risco de nuvem que mais lembrava um galho de aveloz. Contemplando uma estrada barrenta e olhando aquela terra árida que não tinha cheiro de nada, ela sentiu que o sol estava mais quente do que de costume e o som do silêncio era ainda mais triste que outrora.

 

 

 

Um Céu Imenso

In Arts & Letters, Creative Writing, Fiction, Humanities, Literature on April 8, 2015 at 8:45 am

Hugo Santos

Hugo Santos é professor de Literatura no Brasil e possui os cursos de Graduação e Mestrado em Literatura Brasileira, ambos conseguidos pela Universidade Federal de Pernambuco, no estado de Pernambuco, cuja capital é Recife – sua cidade natal (e de acordo com ele mesmo, uma das mais belas cidades do país). Atualmente, ele está frequentando o Programa de Doutorado em Educação de Adultos, na Universidade de Auburn, onde também é professor de Língua Portuguesa e Cultura Brasileira. Além disso, ele está representando o Governo de Pernambuco na iniciativa de se estabelecer uma parceria entre a UA e a Universidade do Estado de Pernambuco, através do estabelecimento, troca e ampliação de pesquisas que permitirão a alunos e professores das duas instituições explorarem o que cada uma tem para oferecer. É autor de “Um Céu Imenso.”

Hugo Santos is a Professor of Literature in Brazil and received both his undergraduate and master’s degree in Brazilian Literature from the Federal University of Pernambuco, in the state of Pernambuco, located in the Northeast of Brazil, whose capital is Recife—his hometown (according to himself, one of the most beautiful cities in the country). Currently, he is enrolled in the Ph.D. Program in Adult Education at Auburn University and teaches classes in Portuguese and Brazilian Culture. He is linked to the Auburn University Office of the International Programs as a representative of the Government of Pernambuco and is establishing a partnership between Auburn University and the Pernambuco State University, where he worked in Brazil. The research exchange and extension program enables the students and teachers of both institutions to explore what each university has to offer. He is the author of Um Céu Imenso (“An Immense Sky”).

A cadeira se encontrava exatamente no mesmo local. As teias que a recobriam davam-lhe um contorno sutil, de modo que o quadro de abandono do quarto era encoberto por aquele manto prateado, luzindo ao abrir da janela e mantendo intocáveis as lembranças há muito guardadas de uma época de alegria, dor e tristeza.

Remanescendo de uma turva lembrança, que embora agora estranha, era ainda uma visão que me enternecia muito, vi tomarem forma as estantes de livros, a cortina cinza que combinava com aquela extensão de céu sempre chuvoso, e que me trazia, junto com as gotas, o toque mágico do horizonte, quando estendia o rosto pela janela e permitia à chuva desempenhar o papel de confidente e mensageira de uma embalada esperança. Senti a mesma brisa daquelas noites solitárias, daqueles momentos de intangível leveza, em que me sentia num vôo silencioso, rasgando ares sem fim e tendo a minha frente apenas o infinito, irretocável e belo, chamando-me a um mundo desconhecido do meu e a uma vida desconhecida da minha.

Senti o mesmo tremor no assoalho do quarto, de quando ouvia os passos na escada e num rasgo impetuoso de agonia gelava-me o sangue, sufocava-me o peito e eriçava-me o coração, num batimento louco arritmado, vendo surgir, gigantesco e enfurecido, a imagem de meu pai.

– Moleque! Eu disse que não queria você com aquela vadia.

– Ela não é vadia. Só está querendo me ajudar.

– Ajudar a tirar você dessa família, de junto dos seus irmãos.

Meu pai jamais imaginaria o que era estar ao lado da Dona Mariana. Impossível também para um menino de doze anos pensar nela como um ser humano normal. Impossível não ser hipnotizado por uma profunda sensação de êxtase quando a via, em qualquer que fosse o momento, especialmente no primeiro cumprimento do dia.

– Tudo bem, Vitinho? Hoje você parece muito mais encantador e sorridente do que da última vez. Andou ganhando algum presente?

– Não, senhora. Só tô feliz porque tô mesmo.

Hoje eu vejo, sentindo ainda o veludo daquela voz, que aquele jeito cândido, aquela beleza sublime de quem transpirava ternura, era única e simplesmente o que ela era. O seu tom e o seu toque, o rosto delineado lembrando a face do bem, e um sorriso angelical que irradiava pura compaixão, deixaram-me instintivamente apaixonado no primeiro segundo que a vi.

Eu a havia conhecido no mesmo dia em que minha mãe morrera. Ao ver-me chorando no corredor do hospital, sem jamais termos-nos falado antes, ela me deu um abraço afetuoso e alisando minha cabeça e limpando minhas lágrimas, teceu-me os mais belos comentários a respeito de minha mãe que ninguém jamais dissera. Citou frases que ela havia dito, pessoas que havia ajudado e fez-me ver, da maneira mais cristalina possível, que o fazer o bem era o valor mais inalienável que poderíamos ter e repassar.

Minha cabeça girava feito um carrossel. Muito mais pela apaixonante presença daquela diva, do que pelo enredo de dor pelo qual passava naquele dia. Na ocasião não entendi muito bem a iniciativa de Dona Mariana e perguntava-me, a todo momento, o que a movia a tamanho gesto.

Muito mais complicado era tentar entender a reação negativa de meu pai àquela amizade. A fúria que o tomava à simples citação do nome dela deixava-o de tal modo possesso que seus olhos esbugalhavam, a ponto das veias do globo ocular ficarem à vista, a veia da garganta inchar e, a cada berro, chuvas de saliva respingarem em quem o cercasse. Era completamente incompreensível tanta ira por alguém tão infinitamente amável como Dona Mariana.

De toda sorte, e por força de um impulso sempre incontido, jamais deixei de ir aos encontros com aquela minha musa. Apesar do medo das surras prometidas e do calafrio no momento do retorno pra casa, a necessidade de falar-lhe, de ouvir-lhe e de olhar-lhe se sobrepunha a quaisquer sentimentos humanamente conhecidos. O bombeamento do meu sangue aguçava toda a eletrização do meu corpo, e um misto de letargia e ligeireza, de estupidez e genialidade tomavam conta de minhas ações, gestos e sorrisos.

Como era de se esperar, um dia fiz-lhe referência ao ódio nutrido por meu pai, incluindo os detalhes mais constrangedores, à mínima referência a seu nome e, para minha surpresa, absolutamente nada lhe soou estranho. A impressão, inclusive, foi de uma fina dor na confirmação daquelas palavras, no marejamento daqueles olhos e naquele único sorriso, que não foi de um anjo, mas de uma alma ferida por uma estocada, direto no coração, da adaga da amargura.

– E você tem idéia do por quê dessa raiva?

– Não tenho, não. Mas é algo importante, não é?

– Eu já não falo disso há muitos anos. Nesse tempo todo, sempre imaginei que retomar a vida fosse fácil, depois de um duro golpe dado pelo destino. O fato, meu querido, é que os golpes só aumentam de intervalo, mas estão sempre presentes em nossos desígnios, turvando nossa mente e obrigando-nos a trincar nossos risos e enterrar nossos sonhos de felicidade.

Era sem dúvida uma hora difícil para ela, e meio que imaginando algo que pudesse afastá-la de mim a partir daquele momento, senti o meu sangue gelar e a chegada de um medo inapelável incorporou-se às minhas sensações, de modo que fechei os olhos e apenas escutei-a, calmamente.

– Meu amado Vitinho… eu conheci o seu pai muito antes d’ele se casar com a sua mãe. Nós nos amamos muito, mas por uma ironia do destino eu engravidei e tive de sair dessa cidade porque meus pais ficaram inconformados com aquilo. Seu pai nunca me perdoou, embora até hoje não saiba que quando o deixei carregava um filho dele no ventre.

– E onde está ele, agora?

– Infelizmente ele está morto. Ainda bebê, após as complicações do parto, ele não resistiu e os recursos médicos da época não ajudaram. Meu filho morreu aos dois dias de nascido. Se ele estivesse vivo hoje, teria exatamente o dobro da sua idade.

Aquela revelação esclareceu cada ponto nebuloso surgido em minhas indagações internas, e embora ela tivesse divagado por outros assuntos mais amenos, minha mente apenas resgatava aquelas palavras:”(…) os golpes só aumentam de intervalo, mas estão sempre presentes em nossos desígnios(…)”, e por mais que aqueles olhos tristes me chamassem a atenção, eu pensava tão somente na dor daquela mulher, na sua tão contida angústia, embora ninguém pudesse duvidar da alegria que ela sempre nos demonstrava.

Como eu amei aquela mulher! E amei-a muito mais após aquela tarde. Após sentir que apesar de tanta dor, desesperança e eventualmente castigo, seu semblante era do mais sereno amor e enternecimento.

Para minha dor, porém, perdi, naquele instante, minha amada. Ao sair novamente da cidade, dessa vez para não mais voltar, e a exemplo do que ocorrera com meu pai, ela levou consigo, sem perceber, uma parte de mim, a parte que mais me era imprescindível – a alegria de minh’alma.

Tocando agora a janela, onde ao longo dos anos me debrucei, viajo junto daquele meu eu e, planando por um céu imenso, ensaio um contato com Dona Mariana, ícone de meus sonhos e senhora dos meus pensamentos, com quem vivi, cresci e amei, numa vida sem desígnios, sem golpes e sem dores. Numa vida onde ainda era-nos permitido sonhar.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 7,306 other followers

%d bloggers like this: